O que é mestrado?

Vou iniciar um série de posts sobre mestrado, baseado na minha própria experiência, obviamente. Vou falar do que é, como é, dificuldades que EU enfrentei.

Nesse primeiro post vou falar sobre o que é o mestrado.

Existem dois tipos de pós-graduação: lato sensu e strictu sensu.

A pós-graduação lato sensu é famigerada ‘pós’. É aquela que se ouve muito falar por aí, ‘fulano faz pós’, ‘vou fazer a minha pós’. Essa pós-graduação é uma especialização e não muda o seu título. Exemplo, se você for formado em Administração e fizer pós-graduação lato sensu em Comércio Exterior, você vai ser ‘Fulano de tal, formado em administração e pós-graduado em comércio exterior’. O MBA é uma pós-graduação lato sensu. Outra característica é que a pós-graduação lato sensu não lhe credencia pra outros níveis. Você pode fazer 10 pós lato sensu, mas vai continuar sendo pós-graduado.

A outra linha é a pós-graduação stricto sensu, na qual se incluem mestrado, doutorado, pós-doutorado e o que houver – se houver mais alguma coisa. Essa pós-graduação vai credenciando a pessoa a níveis mais elevados, e.g., pós-doc > doutorado > mestrado. Outra diferença fundamental é que a pós scricto sensu é mais voltada para a academia (pesquisa) enquanto a pós lato sensu é mais voltada para o mercado.

E o mestrado?

Poderia dizer que é uma espécie de introdução ao mundo acadêmico. É um período de dois anos em que você propõe e desenvolve um trabalho com relevância em alguma área de pesquisa do seu interesse. Os dois anos podem ser prorrogados um pouquinho, o que não é aconselhável. É importante dizer que o interesse pela pesquisa esteja presente desde a graduação, caso contrário, fica complicado.

O tema da pesquisa do mestrado deve ser relevante, mas não necessariamente inédito. Por exemplo, alguma face inexplorada de algum assunto. Um exemplo mais claro de um tema relevante: fazer um estudo profundo e classificar algoritmos de roteamento de acordo com performance, escalabilidade e etc. Um tema inédito seria propor um novo algoritmo de roteamento para resolver os problemas encontrados no estudo anterior.

Como funciona?

No mestrado você tem um orientador e uma proposta que, no futuro, será a sua dissertação. Geralmente, durante o primeiro ano, se pagam algumas disciplinas e o segundo ano é dedicado a pesquisa.

No ato da inscrição para o processo de seleção do mestrado, você anexa a sua proposta de trabalho que será avaliada pelo colegiado. Na verdade, você não escolhe o orientador e sim o contrário. É no momento da seleção que cada professor decide quais alunos vai orientar.

Dependendo do programa, a seleção é basicamente análise de curriculum (histórico, cartas de recomendação, produção científica, etc). Outros programas além da análise curricular aplicam uma prova. Tenho uma certa reserva em se aplicar uma prova pra fazer um curso de mestrado, mas divago.

Há dois regimes: dedicação parcial e exclusiva. A dedicação parcial se aplica àqueles que dividem o estudo com o trabalho, o que exige uma carta de liberação por parte da empresa. Na dedicação exclusiva, a sua profissão é ser estudante.

Aluno de dedicação exclusiva, geralmente, ganha uma bolsa de estudos cujo valor varia um pouco de acordo com a agência de fomento, mas que fica em torno de 1200 reais. Com essa bolsa, o aluno fica proibido de ter vínculo empregatício sob pena de devolução das bolsas recebidas corrigidas e processo. E pra funcionário público, o desconto é em folha!

O problema é que não tem bolsa pra todo mundo. O número de bolsas é limitado por instituição e conseguir novas bolsas é muito difícil. Então os alunos com os melhores curriculuns terão prioridade sob os demais na hora em que tiver uma bolsa sobrando. E assim sucessivamente até que todos tenham bolsa (o que pode não acontecer). Ou seja, as bolsas vão ‘passando’ dos alunos antigos pros mais novos e graças a burocracia, o intervalo entre a implementação da bolsa até o dinheiro na conta, é de uns 3, 4 meses. Portanto, prepare-se para o inverno.

Das obrigações

Além de ter que passar nas disciplinas obrigatórias e optativas (2 reprovações = jubilamento) com média >= 7. Você tem a ‘obrigação’ de publicar artigos científicos. Os artigos são atestados de que o trabalho que você faz vale a pena, já que a avaliação é feita pelas referências da área.

Quando um artigo é aceito por uma conferência, o correto é um dos autores ir defender (apresentar) o artigo senão pega mal. No entanto, ir apresentar um artigo é tão difícil quanto publicá-lo. Considerando uma conferência realizada no exterior, fica quase impossível para o próprio aluno arcar com as despesas de passagem e estadia. A universidade, segundo contam, só paga alguma coisa para funcionários. Então restam duas opções: as agências de fomento e projetos.

A FAPEAM (Fundação de (des)Amparo a Pesquisa do Estado do Amazonas) tem um programa chamado PAPE (Programa de Apoio a Participação em Eventos) que periodicamente fornece passagens a alunos e pesquisadores. Mas, o PAPE tem uns critérios meio esquisitos pra seleção dos beneficiados. Por exemplo, dá centenas de passagens pra graduandos irem pro SBPC, não dá uma passagem internacional pra um mestrando ir pra conferências altamente relevantes, dá passagens pra estrangeiros irem pra conferências em sua terra natal! (aqui, tabela Eventos Internacionais) e pretere quem já está com o trabalho aceito.

Passagens por meio de projetos são as mais ‘fáceis’, caso algum professor tenha algum projeto com dinheiro sobrando e o artigo seja relevante pro projeto ou aluno que publicou participa do projeto, é quase uma obrigação do professor bancar a viagem. Ah, sim, o pagamento de diárias pro aluno também é possível.

O crescimento que a participação em uma conferência de alto nível proporciona ao aluno é incomensurável. E, de certa forma, é possível conhecer o mundo só publicando artigos. :D

Próximo capítulo: a difícil vida do bolsista

About these ads

Sobre Arlen Nascimento
26 anos, Manaus.

18 Responses to O que é mestrado?

  1. JACQUELINE RIBEIRO disse:

    Muito bom o texto. Dá uma clareada nas duvidas…..

  2. Aparecida Cavalcanti disse:

    Adorei!!! Estou no aguardo de novas postagens!!

  3. bruwewe disse:

    Muito bom, ajudo bastante.

  4. duque disse:

    ÉÉ… informações na medida, inclusive humor! obrigado e abraço.

  5. Guilherme disse:

    Muito Bom!
    Gostei do Post!
    Muito Interessante!
    Esclareceu minhas dúvidas! Abraços!

  6. Sabrina disse:

    Muito legal o seu texto, mas queria saber um pouco mais como a pessoa que está terminando a graduação faz para tentar a seleção. Indo direto ao ponto, sabe se tem como entrar no mestrado antes do fim da graduação? Tipo já correr atrás? E se tem, seria a partir de que período?

  7. Pingback: Os números de 2010 « Pai d’égua

  8. Dionete disse:

    Olá, gostei de sua atitude de falar sobre esse assunto e da forma que possamos tirar dúvidas.
    Morro em Caracaraí – Roraima, tô lendo uns textos para fazer uma prova de mestrado em Manaus, ainda não me sinto preparada, mas irei fazer assim mesmo. Gostaria de saber como é a prova escrita?

  9. Waldeliz disse:

    Algumas ressalvas para ajudar os colegas:

    * Sua ionformação “Você pode fazer 10 pós lato sensu, mas vai continuar sendo pós-graduado.” leva a interpreta~çoes errôneas, porque, mesmo quem faz um Pós Strictu Sensu é um Pós-graduado. A pós Latu Sensu nada mais é do que a Especialização e quem a termina será um ESPECIALISTA no tema do curso que escolheu, por exemplo, eu sou Psicomotricista e Psicopedagoga porque fiz Especialização em Picomotricidade e Psicopedagogia.

    * O termo MBA (Master in Business Administration), em Português, significa Especialista em Administração de Negócios. Traduzindo, MBA é um curso de especialização de executivos nas diversas disciplinas da administração, onde são estudadas matérias de marketing, finanças, RH, contabilidade, etc. Tem o mesmo valor de uma Especilização em outras áreas.

    * Tmabém as siglas para a titularidade, no Brasil, não são “e.g., pós-doc > doutorado > mestrado”, mas Esp.- Msc. – Dr. Lembrando que o Pós-doutorado (Phd, nos E.U.A.) só é válido nos EUA! Aqui no Brasil ele é reconhecido somente como um trabalho extra baseado no Doutorado, portanto, NÃO É outro título!

    Espero ter ajudado a todos que leram o artigo.

    Waldeliz de E. P. Alves – Manaus-AM

    • Concordo, explicações nunca é demais. A espacialização tem sua importancia, desde que voltada para seu campo de estudos.

  10. Wolfgang disse:

    Muito bom! Finalmente entendi essa história e pós graduação . Como não sou chegado em pesquisa (não no nível exigido, naturalmente) acho que vou optar pela lato sensu mesmo.

  11. Gostei muito das explicações que vc deu sobre o mestrado.
    Obrigado por tirar minhas duvidas.
    podemos nos comunicar através do msn.
    Estou indo estudar mestrado em Buenos Aires
    E minha familia é contra a minha decisão de estudar fora do país.
    Podemos ser amigos…AGUARDO VC NO MSN

    • Tatiana disse:

      Me mande seu msn, tb estou indo estudar em Buenos Aires.

  12. Mario disse:

    Muito bom o post! Parabéns.

    • Muito bom, uma excelente contribuição. Parabéns!

  13. Karllota disse:

    ó as idéias!!!!!!!!

  14. brauro gomes disse:

    vlw cara ajudou bastante

  15. joão Victor disse:

    olha cara tenho 15 anos meu sonho é ser mestrado e doutorado em medicina tipo ainda n entendi oq é (mestrado) mestrado é ser especialista no assunto ou estou errado poderia me dar mais informações ?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: