Uma noite memorável

Confesso que até um dia antes do show, eu não tava com a mínima vontade de ir. Tanto que só comprei o ingresso no dia anterior ao show. Pensei até em não ir, mas sei lá, era o Iron Maiden e já que eles vinham aqui, a coisa se tornava praticamente uma obrigação.

Mas as coisas começaram a mudar quando eu vi a banda chegando no aeroporto. De repente, eu acordei e me dei conta: caceta, são eles mesmos, ó! Aí, pronto, i turned myself on!

Shows de rock são um ‘espetáculo’ dentro do outro. Os ‘rockeiros’ são figuraças- alguns são verdadeiros elos perdidos -, não sei onde eles hibernam entre um show e outro. Mas, deixa pra lá, nem gostaria de saber… Sempre tem o porra louca que bem antes do show já tá na sarjeta de tão bêbado; aqueles que usam calças e jaquetas de couro em Manaus; aqueles que usam uma espécie de sobretudo, coturnos e a inseparável mochila Karga, eu não faço a puta idéia do porquê ir de mochila pra um show.

A fila saía da porta do sambódromo e estava quase na porta da arena Amadeu Teixeira, dava quase pra pedir um tira-gosto lá no Picanha Mania. 30 minutos de fila e estavámos dentro. Na verdade, era pra eu ter entrado assim que eu cheguei, mas fui ficar esperando os outros e quase mifu. Entrei pouco depois das 20:30

Pela primeira vez na minha vida vi um show começar no horário do ingresso: 9 o’clock. Isso se chama profissionalismo. Se tem um horário lá no ingresso, custa cumprir? Que as bandas e produtoras brasileiras aprendam essa lição.

Do lugar de onde eu tava, não se via quase nada, eu tenho 1,72m e estava do lado da mesa de som. Se eu ficasse de ponta de pé, eu conseguia ver a bateria. O show mesmo só pelo telão… Some a isso a falta de respeito de subir no ombro dos outros pra ficar rodando camisa…

Mas porra, o começo com ‘Aces High’ – que tem uma linha de baixo espetacular – é pra matar do coração. Era o beliscão. Caraca, eles tão aqui mesmo! Iron Maiden!

Lá pela terceira música surgiu a oportunidade de ir pra área vip (frontstage) e eu fui. Ali, sim. Outra vida. Os verdadeiros fãs, porque pagar 300 paus só pra vender beleza não é pra qualquer um. Mas, claro que tinha gente só vendendo beleza por lá.

E de repente, eu estava a 4, 5 metros do palco, sem precisar ficar de ponta de pé e com direito ao Janick Gers fazendo graça pra galera.

A presença de palco deles todos é impressionante. Nunca vi aquilo. Eles não param. Toda hora cruzando o palco, interagindo, agitando. O Bruce parece que foi ligado na tomada! Corria dum lado pro outro, pulava, gritava, agitava, orquestrava o público.

Os efeitos visuais do show também são um espetáculo. É difícil vir um show completo pra cá. Mas esse foi supersize. Pirotecnias, o Eddie gigante, os panos de fundo que mudavam de acordo com a música que tocava e o palco todo powerslavizado.

Em Fear Of The Dark, eu chorei. Não choooooreei, mas as lágrimas vieram. Foi muito emocionante e creio que não só pra mim. Foi como se eu voltasse no tempo, lá pelos idos dos meus 14 anos, vendo o clipe na MTV (saudosa mtv!), me arrepiando e me imaginando ali – e sabendo que era impossível –, e, de repente, eu tava ali mesmo, cantando junto, com o Bruce dizendo ‘you’ e a multidão respondendo ‘fear of the dark’. Lindo, memorável. Foi por isso que eu chorei e só vai entender quem sentiu o mesmo…

Pô, tocaram até ‘Phantom Of The Opera’! Eu sempre gostei dessa música. Aliás, o disco ´Iron Maiden´ é ótimo do começo ao fim.

Enfim, depois de duas horas (sem tirar de dentro) de espetáculo, o show acaba e ainda parece surreal a idéia de que eu vi um show do Iron Maiden.

Um pequeno parêntese. Quando eu tava indo pra área vip, o segurança viu a câmera na minha mão e disse que era proibido. Perguntei o porquê e ele disse que não podia. Mas acabei passando por ele. Claro que quando cheguei lá, todo mundo tinha uma câmera. ‘Proibido’ my ass!

O que as bandas e produtoras tem que entender é que registrar aquele momento é importante pro fã. Sim, as fotos ficam péssimas, mas e daí, quem tirou a foto vai saber do que se trata e vai lembrar daquele momento.

Anúncios

Sobre Arlen Nascimento
26 anos, Manaus.

One Response to Uma noite memorável

  1. Ligado na tomada? Essa tomada é em pó, eu acho, e circula em carreiras, ao invés de corrente, hehe. 😛
    Eu não fui ao show, mas a Mari falou que foi foda. Queria ter ido, que merda!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: