O vazamento do Coubiz continua…

Já tá batido e etc, mas volto ao assunto só porque é importante.

Fiz dois posts onde mostrei que o site de compras coletivas Coubiz utiliza os dados de clientes para fazer spam de terceiros (Entenda como o Coubiz fornece seus dados pessoais para terceiros sem sua autorização e O silêncio do Coubiz).

Depois dos posts, os spams do Japamix pararam de chegar. Mas outro dia recebi um email do Amazonas Shopping. Nunca me cadastrei em nada de lá, acho que nunca acessei o site de lá, então não era possível que eles tivessem meus dados.

Dessa vez, o spam até que veio bem disfarçado, usaram um email com o domínio do Amazonas Shopping e tudo. Só pecaram no link pra se descadastrar (daquilo onde você nunca se cadastrou), que é da imanaus.com.br.

Meu interesse pela coleção outono inverno 2012 da Anne: -55

No final tem o link pra descadastrar o email do mailing e a revelação de como eles chegaram até você.

Aqui em cima, o endereço pra onde o link aponta

E pra fechar com chave de cocô, olha o que tem no final do email.

"Somos contra o spam" sei...

 

Velhos hábitos

Essa semana tava fazendo backup dos meus arquivos. Tinha um hd externo de 400GB e diversos dvds com espalhados por ai. Comprei mais um de 750GB (que já está com 100GB ocupados).

Guardo muita coisa inútil. Tenho uma pena imensa de apagar arquivos que eu tenho certeza que eu não vou mais precisar. Filmes e séries já assistidos, principalmente.

Esse comportamento foi herdado da minha época offline.

Eu comecei a usar a internet de forma hardcore em 2003, quando eu entrei na faculdade. Não tinha internet em casa, nem discada. Tive apenas dois meses de internet em 2005, eu acho. Depois disso, só fui ter internet de novo em 2008, pelo plano de dados do meu celular.

Quando eu não tinha internet, eu passava os fins de semana offline. Não via nada no fim de semana. Depois de sexta, só via meu email de novo na segunda. Eu tinha que fazer um planejamento minuncioso pro fim de semana, se faltasse algum arquivo ou programa, eu, provavelmente, não conseguiria fazer algum trabalho importante. Várias vezes perdi um fim de semana porque esqueci de baixar um pacote pro linux.

E herdei esse comportamento dessa época. Até pouco atrás, eu gravava em dvd todos os filmes e episódios de séries. Ainda tenho muitos comigo.

Fazendo esse backup me peguei salvando temporadas completas em HD de séries que já assisti há 3, 4 anos. E, de certa forma (e com certo exagero) sofri pra apagar. E me perguntava o porqu, pois no meu computador tenho 1, 2 GB livres no hd.

Hoje, que finalmente, temos internet decente em Manaus, eu tenho um link de 20Mbps em casa (que, ok, às vezes me deixa na mão), que realmente baixa a 20Mbps, e posso baixar séries e filmes em questão de minutos! Do contrário do tempo em que baixar um episódio de 350MB levava 3,5 horas no velox!

Fim do post.

 

 

 

 

 

 

 

‘E o Rap’ é a ‘polícia milita’ de 2011

Há alguns ano, não lembro quantos, mas eu ainda tava no ensino fundamental (final dos anos 90), uma pixação ‘Policia Milita’ (sic) invadiu Manaus.

Era ‘policia milita’, mesmo. Acho que o animal tinha a intenção de escrever militar, mas não sabia. A pixação era simples e sempre pequena. Não estava espalhada por toda a cidade como o ‘e o rap’, ficava só no centro.

Da mesma forma que o ‘e o rap’, ninguém sabia do que se tratava o ‘policia milita’, muito menos a autoria.

Até fizeram uma “série” de vídeos de youtube sobre o ‘e o rap’, mas não vou linkar, é constrangedor.

O silêncio do Coubiz

Fiz esse post aqui mostrando que o Coubiz fornece seus dados pessoais para terceiros sem sua autorização.

Pra minha surpresa, o post foi muito bem acessado. O blog bateu o recorde de visitas no dia 3 de outubro. E mesmo depois de alguns dias de sua publicação, o post ainda continua sendo muito acessado.

Apesar do grande número de visualizações, o post, curiosamente, não viralizou, ou seja, pouquíssimas pessoas passavam pra frente (davam um RT, por exemplo). Eu tenho um palpite do porquê, mas prefiro guardar pra mim, por enquanto. Houve poucos comentários e, dentre eles, uma defesa meio suspeita.

A estratégia foi fingir que não viu. Como meu blog é pequeno e, portanto, não é capaz de repercutir sozinho, se ninguém desse confiança, o assunto ia morrer. E foi o que aconteceu. Mesmo contando com a ajuda de alguns hubs nas redes sociais, o post não vingou.

Mas pelo relatório de acessos, eu sei que o post chegou dentro do Coubiz e de outras empresas pareceiras. Soube que o Coubiz estava apurando o fato. Mas não houve nenhuma manifestação pra um assunto que eu considero bem sério. Nenhuma.

Logo após a publicação do post, foram aparecendo informações que deixavam claro que o fornecimento de dados dos cliente é feito com total anuência do Coubiz.

Como falei no post passado, a empresa responsável pelos spams mailing é a imanaus.com.br.

A internet disponibiliza vários serviços gratuitos que permitem visualizar informações públicas associadas ao registro de domínios. Usando o whois, verifiquei que o domínio imanaus.com.br está registrado no nome da entidade Intronet – Soluções Interativas em Internet cujo responsável é Rafael da Costa Rola.

E o domínio intronet.com.br está registrado em nome de Mauro Batista Rola.

Na página principal do site da Intronet é possível encontrar o portfólio da empresa, que mostra como últimos trabalhos o site do Coubiz.

Uma grande coinicidência, mas que não acaba por ai.

Fazendo uma consulta pelo dominio imanaus.com.br usando o site ip-address.com, temos o seguinte resultado.

imanaus no ip-address.com (clica que aumenta)

E fazendo uma consulta pelo dominio coubiz.com no mesmo site, temos o resultado

Coubiz no ip-address.com (clica que aumenta)

Ou seja, o Coubiz e a imanaus (relembrando: a empresa que faz spam) estão hospedados no mesmo condominio, o SNH Serviços de Internet.

Não há absolutamente nada de errado nisso. Uma pesquisa mais a fundo revelaria dezenas de sites que compartilham o mesmo provedor, e até o mesmo servidor.

Mas pelo menos pra mim (e é o que importa) fica provado que o Coubiz além de consentir, participa ativamente do fornecimento de dados dos clientes para terceiros. Na verdade, não há terceiros, a empresa que cuida do Coubiz é a mesma empresa que dispara propagandas indesejadas para o seu email sem a sua autorização.

Ainda há outra possibilidade que deve ser levantada. Supondo que o Coubiz seja inocente, então a única responsável passa a ser a imanaus, que consegue os dados do Coubiz de alguma forma misteriosa (backdoor?). Mas sabendo que eles estão hospedados no mesmo ISP,  e talvez até no mesmo servidor físico, é muita conspiração.

Entenda como o Coubiz fornece seus dados pessoais para terceiros sem sua autorização

 

Há um tempo, escrevi um post sobre a minha desconfiança de que sites de compra coletiva de Manaus estavam vendendo suas bases de dados para empresas de mala direta. A dúvida surgiu quando, do nada, eu passei a receber mailings de lojas e restaurantes nos quais eu nunca me cadastrei. Na mesma época vi um outdoor ofertando esse tipo de serviço. A certeza de que algum desses sites estava fornecendo, ou vendendo mesmo, os dados dos clientes, eu já tinha. Mas não tinha como saber qual.

Venda de dados privados?

Foi aí que eu resolvi fazer um experimento.

No dia 30 de junho de 2011, criei o email arlen.comercial no Gmail e me cadastrei nos principais sites de compra coletiva de Manaus (Coubiz, Tambaqui Urbano, Top Cupom, Show do Cupom).

O Gmail tem várias funções interessantes. Uma delas é que você pode criar tags para “rastrear” o remetente dos emails. Explico Melhor.

Você pode alterar o seu endereço de email adicionando ao final dele o símbolo “+” seguido de uma palavra. Exemplo: se em algum cadastro eu colocar o endereço de email arlen.comercial+x@gmail.com, quando eu receber um email cujo destino tenha sido arlen.comercial+x@gmail.com, eu sei que aquele email veio do site x. E se não veio daquele site mas de um outro onde eu nunca me cadastrei, então a única possibilidade existente é que o site x tenha repassado meus dados a terceiros.

Então fiz isso. Para cada um dos sites em que cadastrei, adicionei uma tag única ao email de cadastro (exemplos: “+t”, “+sc”). O problema é que o campo de email do cadastro do Coubiz não aceitava caracteres especiais, o que me impossibilitava de usar uma tag. Então, somente para o Coubiz, deixei meu email original, sem nenhuma tag.

Meu email de cadastro no Coubiz

Aí foi só esperar.

E demorou. Mas hoje, 30 de setembro de 2011, chega ao meu email a seguinte propaganda no meu email de uso pessoal. E algumas horas depois, chega o mesmo email endereço a arlen.comercial@gmail.com. Ou seja, finalmente, repassaram a última atualização da base para a empresa de mala direta.

Propaganda não autorizada para o email cadastrado

O remetente foi o email japamix@imanaus.com.br. Entrando no site imanaus.com.br temos a seguinte (e única) página.

Site da imanaus.com.br

Winning.

Recapitulando: criei um email exclusivamente para fazer cadastros em sites de compra coletiva, tomando o cuidado de criar uma identificação única para cada um dos sites. Meses depois, recebo uma propaganda não solicitada endereçada ao mesmo email que cadastrei exclusivamente no Coubiz.

***

Todo site, os de cunho comercial principalmente, definem seus Termos de Uso, que é um contrato com o qual você concorda para poder utilizar os serviços do site. Com o Coubiz não é diferente, no momento do cadastro, você é obrigado a concordar com esses termos para poder se tornar um usuário.

Mas quem lê os Termos de Uso, não é mesmo? Pela primeira vez, eu li. E aqui estão os Termos de Uso do Coubiz. Em todo caso, aqui está um print tirado no dia 30.09, caso resolvam mudar de última hora (o que está previsto nos Termos, diga-se).

Termos de Uso do Coubiz. Clique para aumentar.

Não há, nos Termos de Uso do Coubiz, nenhuma cláusula em que o usuário dê permissão para o site divulgar seus dados a empresas terceiras.

***

Não sei se isso que o Coubiz fez é contra lei. Sinceramente, não ligo se é ilegal ou não. Só acho que é anti-ético (ou anti ético), a empresa fornecer dados confiados ao seu site para empresas de mala direta fazerem spam e o cliente sequer ser informado disso. O facebook já teve sérios problemas com essas questões relacionadas a privacidade dos usuários.

Esse foi apenas um caso que eu consegui pegar. Ainda recebo diversas outras propagandas cuja origem não consegui rastrear, mas parece que vai ser apenas questão de tempo.

A bolha da picanha

O preço médio do quilo da picanha no bafo em Manaus é R$ 70! Setenta reais por um quilo de carne assada numa churrasqueira fechada. O quilo da mesma carne que pode ser encontrada por R$ 16 nos açougues (crua, obviamente).

Claro que tem o beneficiamento, custo Brasil, crise do petróleo e bla bla bla.

A bolha das tulipas aconteceu quando o preço da tulipa estava inacreditavelmente alto. Aí, de repente, a galera se deu conta: égua, isso aqui é apenas uma tulipa! Por que diabos eu estou pagando 24 toneladas por um bulbo de tulipa!? E aí foi ladeira abaixo.

Ou seja, aquilo ali é apenas picanha (deliciosa, claro. não é isso que está em questão). Por que pagar o preço de filé argentino por um quilo de picanha?

Ah se Manaus tivesse praia…

Mano, imagina a merda (ainda maior) que essa cidade ia ser?

Fim.

%d blogueiros gostam disto: